CURSO: AVALIAÇÃO DE BENS HISTÓRICO-CULTURAIS

DATA: 25, 26 e 27 de agosto de 2011.
HORÁRIO: Dias 25 e 26 de agosto das 08:30 as 12:00 e das 13:30 as 18:00 horas;
Dia 27 de agosto das 8:30 as 12:30 horas.
Carga Horária: 20:00 horas/aula
 
LOCAL: SOCIESC – Itacorubi – Florianópolis/SC
SOCIESC – Antigo Campus Unica – Rua Salvatina Feliciana dos Santos, 525 -Itacorubi – Fpolis/SC.
Maiores informações:
IBAPE/SC – Instituto Catarinense de Engenharia de Avaliações e Perícias
Telefone/Fax (48) 3223-1689 – www.ibape-sc.com.bribapesc@terra.com.br
 
OBJETIVOS DO CURSO:
Destinado aos profissionais de avaliação de imóveis que tenham interesse em acrescentar à
sua formação e experiência já acumuladas os princípios gerais e o modo de trabalho em relação à apuração de valores de mercado dos imóveis antigos protegidos por legislação especial de tombamento ou de preservação histórico-artístico-cultural. Portanto, com o conteúdo didático apresentado a seguir, o profissional passará a ter o conhecimento necessário para a adaptação dos métodos tradicionais de avaliação, que já conhece em imóveis comuns, a esse mercado específico, de modo a cumprir em seus laudos os postulados normativos da NBR-14.653 parte 7 da ABNT.
PÚBLICO ALVO:
Engenheiros e Arquitetos e demais profissionais do sistema CREA/CONFEA.
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
As características específicas dos imóveis histórico-artístico-culturais:
As diferentes épocas da História da Europa e do Brasil e seus estilos arquitetônicos; o contexto
urbanístico; como apurar a idade, o estilo e a importância de um imóvel antigo para que constem no laudo técnico; motivos e equipamentos decorativos artesanais e obras de arte integradas ao imóvel antigo; as fundações; os muros e paredes; as estruturas; os telhados; como efetuar as descrições dos elementos construtivos, decorativos e arquitetônicos; a verificação documental; a pesquisa iconográfica; a pesquisa de plantas; as particularidades do terreno e do entorno; como descrever as características do imóvel no laudo.
 
A política de preservação de bens histórico-culturais e a legislação correspondente:
O Decreto-Lei 25; o imóvel preservado na malha urbana e as fazendas antigas; objetivo da
política de preservação; as Cartas Patrimoniais; a legislação brasileira, pioneira no continente; a criação do SPHAN, atual IPHAN; legislações estrangeiras; os protocolos da UNESCO; os diferentes tipos de tombamento; diferença entre a legislação específica para o imóvel ou para o conjunto de imóveis onde se encontra o imóvel que será avaliado;a legislação do entorno; as legislações locais; como as diferentes legislações afetam a propriedade do imóvel; as isenções fiscais e os incentivos à preservação dos imóveis antigos; imóvel protegido por lei deve ter um valor importante para a Nação; exemplo real de imóvel particular tombado; imóvel protegido deve ser mantido “vivo”, isto é, com inserção no mercado. A verificação documental; a pesquisa iconográfica; a pesquisa de plantas; as particularidades do terreno e do entorno; como descrever as características do imóvel no laudo.
As variáveis chave na apuração de valor do imóvel histórico-cultural:
A curva gaussiana como padrão estatístico para cálculo de valor; a adaptação dos cálculos
estatísticos aos imóveis especiais; a legislação incidente, com as suas limitações e potencialidades no mercado imobiliário; o estado de conservação e de preservação do imóvel em avaliação; a área construída do imóvel, suas partes, sua idade, sua solidez e beleza arquitetônica, com apuração das obras de reforma/restauro necessárias e adaptações de uso prováveis; a eventual existência de obras de arte integradas à edificação; a localização do imóvel e a sua posição no contexto sócio-econômico local.
Modos de apurar custos de obras de reforma e de restauração de imóveis antigos:
O licenciamento necessário para restaurar ou reformar imóveis antigos; os cuidados necessários nas restaurações e reformas; os sistemas estruturais e construtivos com a sua necessária conservação ou reforço; a restauração de elementos decorativos ou artísticos; as possibilidades de ampliação do imóvel; licenciamento e cuidados obrigatórios na concepção e realização das obras de ampliação; estimativas de custos por cálculos rápidos, com adaptação da tabela de Ross-Heidecke.
Método Comparativo de venda ou de aluguel:
Imóveis antigos com possibilidades de uso do Método Comparativo; a verificação de valores deste mercado específico; o contexto do mercado local; amostragem do mercado com apurações por preço do m²; adaptações de cálculo para o imóvel em avaliação (como utilizar a parte 2 conjuntamente com a parte 7 da NBR-14.653 da ABNT); apurações de custos específicos a serem acrescidos ou diminuídos ao imóvel em análise (conjugação de métodos); como calcular o valor dos bens artísticos integrados ao imóvel a partir do valor de mercado de leilões de obras de arte; a diferença entre preço e valor no caso de imóveis antigos; a provável valorização futura dos imóveis antigos; exemplos de cálculo.
Método do custo de reedição como uma boa aproximação de valor de mercado:
Imóveis antigos sem possibilidade de uso do Método Comparativo, por possuírem características especiais; a verificação de valores possíveis neste mercado específico, a partir das possibilidades de uso do bem; o contexto do mercado local junto ao imóvel antigo de característica especial; a memória do imóvel junto à população e ao mercado local, elemento que poderá indicar a sua liquidez; o valor do terreno por comparação, em proporção ao tamanho e uso efetivo do imóvel; o valor das benfeitorias existentes; a avaliação como resultado da soma do valor do terreno com o valor das benfeitorias (valor
patrimonial); poderá existir, ou não, fator de comercialização aplicável a este tipo de imóvel; exemplos práticos.
Apresentação dos laudos e exemplos de avaliações:
Elementos importantes da parte descritiva; a documentação a ser apresentada ou citada; o modo de cálculo adotado e a sua fundamentação; a definição do valor provável ou faixa de valores; a apresentação dos anexos; a classificação quanto à fundamentação e precisão do trabalho; casos mais usuais de avaliação deste tipo de bens: comparativo de aluguel (caso de ação renovatória); comparativo de venda (caso de IPTU); apuração de valor de imóveis incomuns
 
MINISTRANTE DO CURSO: Prof. Ronaldo Foster Vidal.

 
Arquiteto, FAU-UFRJ, 1975, CREA 41.996-D RJ. Nascido em 10/04/1951. Recém formado, trabalhou no desenvolvimento de projetos de Oscar Niemeyer no exterior. De volta ao Brasil realizou dezenas de projetos arquitetônicos e construções no Rio de Janeiro, por empresa própria. A partir de 1983 passou também a realizar trabalhos periciais e laudos de avaliações, inicialmente como Assistente-Técnico e depois como Perito dos Juízos da 11ª Vara Cível e das 2ª e 16ª Varas Federais. A partir de 1985 presta consultoria técnica para diversas empresas construtoras, incorporadoras, indústrias de transformação e prestadoras de serviços, incluindo administradoras de imóveis. Membro do Instituto de Engenharia Legal foi nomeado seu Diretor Técnico-Cultural em 2004. Posteriormente foi eleito Conselheiro do IEL e, em 2007, foi conduzido à Presidência do Conselho Diretor (período 2007/2008). Também é membro do grupo de estudos da ABNT que realizou a NBR-14.653 parte 7 (norma técnica de avaliações de imóveis histórico-culturais) e da revisão da NBR-14.653 parte 2 (avaliação de imóveis urbanos). Ministra aulas de avaliações e perícias em cursos promovidos pelo Instituto de Engenharia Legal, pela Universidade Federal Fluminense, pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e, também, no do Professor Sérgio Abunahman. Durante o XXV Congresso da UPAV realizado em Miami, U.S.A., em novembro de 2.010, recebeu o prêmio especial do Appraisal Institute pelo seu trabalho técnico “O Mercado de Imóveis Histórico-Culturais”.
 

 

 

INVESTIMENTO:

 

Sócios IBAPE/SC e Estudantes de graduação (apresentar comprovante de matrícula de 2011):

R$180,00 à vista.

Estudantes de pós graduação (apresentar comprovante de matrícula de 2011): R$290,00 à vista.

Sócios IAB/SC em dia com a anuidade de 2011: R$270,00

Demais profissionais: R$360,00 à vista

 

 

FORMA DE PAGAMENTO

 

 

 

Depósito bancário em nome do IBAPE/SC Instituto Catarinense de Engenharia de Avaliações e PeríciasBanco do Brasil: Conta: nº.9374-2, Agência no: 1808-2

 

 

 

INFORMAÇÕES ADICIONAIS


 

 

 


agas limitadas (máximo 40 alunos em sala)  

 

 

 

Carga Horária: 20 horas/aula
 

 

O valor inclui todo o material, certificado e coffee-break.  

 

Na hipótese de desistência do aluno, o cancelamento de sua inscrição deverá ser solicitado mediante comunicação por escrito e endereçada ao IBAPE/SC e ficará sujeito às seguintes condições:

1) Até 15 (quinze dias) dias úteis antes do inicio do curso, será devolvido o valor integral;
2) Do 14º. (décimo quarto) ao 1º. (primeiro dia que antecedem o início do curso, será descontada a taxa administrativa de 5% (cinco por cento) do valor total do curso. O aluno deverá devolver a 1ª via do recibo e, após três dias, poderá ser retirada a devolução na sede do IBAPE/SC ou, se o aluno preferir, poderá solicitar por escrito, através de fax ou e-mail, que seja feito deposito em conta bancária.
3) Para cancelamentos no dia do curso ou após o inicio das aulas não haverá devolução de valores.

 

 

O IBAPE/SC se reserva o direito de cancelar ou marcar novas datas para inicio do curso. Na hipótese de cancelamento, haverá reembolso   

 

integral do valor pago. No caso de remanejamento de data do inicio do curso o IBAPE/SC poderá, mediante solicitação do aluno, cancelar a inscrição e fazer o reembolso integral do valor pago.  

 

 

 

 

Compartilhe!

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *